Ser mãe – mulheres psicanalistas falam da maternidade

ser-ma%cc%83e

ㅤ ㅤㅤPara quem quer que venha a exercer tal função, a maternidade pode ser uma experiência geradora de angústias e inseguranças. Isso porque a função materna implica num responsabilizar-se pelo seu desejo.

ㅤ ㅤㅤAs tecno-maternidades e as famílias homoparentais, fenômenos da atualidade, são provas vivas disso. Além da mãe biológica, há também a doadora, a portadora, a simbólica, a adotiva. Presenciamos, hoje, diferentes formas de sustentar o desejo de ter um filho.

ㅤ ㅤㅤMãe é aquela que vem nomear as primeiras necessidades de seu bebê. É aquela que dá sentido ao seu choro, por exemplo: “isso é apenas fome”, “está com sono” ou “é preciso levá-lo ao médico”. Assim, ela faz entrar os sinais de seu filho no circuito da demanda. Introduz o filhote de homem na humanização de suas necessidades.

ㅤ ㅤㅤTodavia, é frequente que mães venham à clínica buscando elaborar a experiência que estão vivendo. Afinal de contas, não se trata somente de um bebê recém-nascido, mas de uma mãe recém-nascida e de mudanças significativas no seio familiar.

A ausência de “decodificador” e “de bula” implica que cada mulher se vê na posição de inventar, a cada momento, sua resposta materna.

ㅤ ㅤㅤVia de regra, ser mãe e ser mulher é outra questão que sempre se apresenta de alguma maneira – ainda que em diferentes graus para cada uma. Podem aparecer diversas perguntas sobre o que é ser mãe, o que é ser mulher, como ser mãe e mulher ao mesmo tempo. Ou dúvidas quanto a estar sendo uma boa mãe, recriminações, estados depressivos e até mesmo uma enorme sensação de satisfação.

ㅤ ㅤㅤA maternidade põe a mãe a se confrontar justamente com o que lhe falta, pois apesar de proteger a vida de seu bebê, que precisa ser cuidado e libidinizado por alguém, nenhuma mãe e nenhum pai tem todas as respostas.   

Diante desse impossível, resta apenas para cada uma a possibilidade de inventar, de se inventar uma maneira singular de ser mãe e isso para cada um de seus filhos, pois cada um a porá à prova diferentemente enquanto mulher desejante e faltosa.

ㅤ ㅤㅤSer mãe –  mulheres psicanalistas falam da maternidade é um livro organizado por Christiane Alberti e Elisa Alvarenga, com coautoria de Agnès Aflalo, Francesca Biagi-Chai, Marie-Hélène Brousse, Carole Dewambrechies-La Sagna, Dominique Laurent, Anaëlle Lebovits-Quenehen, Esthela Solano-Suárez e Rose-Paule Vinciguerra. 

ㅤ ㅤㅤPreciosa sugestão de leitura àqueles que desejam uma aproximação agradável e de conteúdo com o tema sob uma perspectiva contemporânea.

2 comentários em “Ser mãe – mulheres psicanalistas falam da maternidade

  1. Está em falta esse livro!! Queria muito! ☹️☹️

    Curtir

    1. Olá, Mariana! Parece que continua em falta. Mas você pode buscar o contato de alguma das organizadoras do livro, Elisa Alvarenga ou Christiane Alberti. Quem sabe alguma delas tenha um exemplar ou outro guardado.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close